José Milagre - Perito em Informática, marketing e proteção de dados. Especialista em crimes cibernéticos. Palestrante. Palestras e conscientização Combate a Crimes Digitais - Atendimento em todo o Brasil

(11) 98105-6959

(650) 318-5194

Agressão à privacidade sem ordem judicial em tempo de cloud computing

Agressão à privacidade sem ordem judicial em tempo de cloud computing

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no google
Google+
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Autoridades sempre buscaram formas legais para obtenção de dados de usuários
em provedores de serviços de Internet e telecomunicações sem autorização ou mandado
judicial. Conquanto no Brasil a jurisprudência seja pacífica na indispensabilidade de
ordem judicial (pela inafastabilidade do poder judiciário), já tivemos julgados “escoteiros”
reconhecendo a validade de quebras de sigilo e privacidade sem autorização, porém que
foram reformados em nossos tribunais de segunda instância.

A despeito de termos uma Lei 9.296/1996 que criminaliza a interceptação
telemática não autorizada por autoridade judiciária, fato é que hoje o cidadão não tem no
Brasil garantia alguma em relação a disponibilidade de seus dados armazenados em
serviços e provedores de Internet. Embora a intimidade e vida privada sejam garantias
constitucionais, além da constituição, no plano infraconstitucional, nada temos em termos
de leis que efetivamente contribuam ou operacionalizem as garantias da lei maior.

Leia artigo completo aqui

image_pdfimage_print

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima