1

Sobre ética, tragédias, fotos e selfies

Uma reflexão sobre o comportamento de fotografar ao invés de ajudar!

Não esqueço das lições que aprendi com Stephen Covey acerca das “Éticas”. Vivemos em um mundo anestesiado e impulsionado pela ética da “personalidade”, de desenvolvimentos da “casca pra fora” e de hacks mentais para ser aceito, popular, influente ou conseguir o que se deseja do outro.

Estariam aqui inseridas a busca
frenética por habilidades de comunicação, desenvolvimento pessoal, técnicas de
vendas, marketing, dentre outros conhecimentos que inobstante serem relevantes,
não mudam ninguém e não são, segundo o autor, por si só suficientes. Nada
comunica melhor, a longo prazo, do que o caráter.

Na ética da personalidade, temos
uma ultra valorização da imagem pública e neste contexto vale tudo, exposições,
vídeos, selfies, algo que viralize e possa me tornar um “influencer”, famoso ou
popular.

Na Argentina, um grupo de
turistas encontrou um filhote de Golfinho fora das águas e ao invés de devolvê-lo,
tiraram selfies com o animal, que logicamente morreu. Não existia ali vontade
de ajudar, empatia,  qualquer reflexão ética,
mas a mera vontade de aparecer e se expor. Na Itália, um homem tirou selfie
enquanto uma mulher acidentada era atendida em estação do trem em Piacenza.

No Brasil, incontáveis aberrações dignas de um “recall da humanidade”. De velório à tragédias, passando por autópsias de celebridades.  Recentemente uma atriz chegou a postar “selfie produzida” em “reza por Brumadinho”, ápice do oportunismo e necessidade de engajar até mesmo explorando as tragédias. Enquanto isso, em um acidente que vitimou um jornalista, fotos eram tiradas quando ainda os vitimados precisavam de apoio.  “Ajudar para que não é mesmo?”  Freud (1914), destacou se tratar de narcisismo, as ações tomadas que buscam elevar o “ego” do indivíduo, como ele se vê se e entende.

Os valores se invertem e o que
era de se esperar passa a ser a virtude e a “ultima crença” na humanidade.
Brasil, temos “heróis”. Na Siria, Abd Alkader Habak, fotográfico que largou sua câmera
para salvar uma criança no momento da explosão de um caminhão bomba tornou-se
um ícone.

Em uma “modernidade liquida”, tratada
com propriedade por Baumann, estamos sempre nos moldando ao menor sinal de
pressão, o que inegavelmente nos faz agir por impulsos, em reações
impensadas… Em nítido culto à própria imagem, é preciso retratar fatos que
possam me impulsionar. No pior cenário, apago depois, assim como me desconecto
facilmente de um “amigo” em uma rede social, sem ter que me explicar…

Como reagiremos a tudo isso? A
verdadeira mudança estaria inserida na ética do caráter, rara e que leva em
conta princípios de humildade, simplicidade, integridade, fidelidade, persistência,
coragem, justiça, diligência, modéstia e principalmente, “a roda”,  não fazer aos outros o que não quisermos que
os outros nos façam. Esta ética não se preocupa com resultados rápidos ou com a
“viralização de conteúdos”.

Pois como asseverou Baumann,
muitos dos problemas atuais decorrem do excesso de individualismo, que leva ao
afastamento dos cidadãos à vida em comunidade. A comunidade não existe mais,
está morta.

Isto porque a vida em comunidade pressupunha
a aproximação, o contato, os relacionamentos, a ajuda e o receber ajuda, o
pensar no próximo. Caminhamos para a exclusão do outro em nossos momentos
individuais, pois em um mundo liquido, é cada um por si e pouco me importa a
dor do outro.  

As selfies em tragédias, as fotografias de brigas que poderiam ser impedidas, os retratos impensados de um acidente que acaba de acontecer, via de regra, atestam os rumos da nossa sociedade, onde a liquidez dos relacionamento e nítida impossibilidade de pensar no outro se escancaram, no que denominamos de absoluta individualidade, que é manifesta por impensados comportamentos e pensamentos acelerados, e que vem causando danos irreparáveis e lesão a honra e imagem de pessoas, além da dor de familiares em conviverem por tempo indeterminado com os referidos conteúdos.

Para onde estamos indo? Não
podemos afirmar. Criminalização de selfies em determinadas situações? Não
podemos afirmar… Mas um ponto merece atenção. É preciso repensar a educação,
considerar a ética do caráter, retomar a solidez dos relacionamentos e
principalmente, analisar a influencia das tecnologias neste processo de extremo
individualismo e enfraquecimento ético, para não dizer “emburrecimento”, onde
tudo que se busca são curtidas, plateia e de certo modo, algum raso
pertencimento.

José Antonio Milagre é Advogado, Palestrante, especialista em
Crimes Digitais, Mestre e Doutorando pela UNESP, fundador do IDCI – Instituto de
Defesa do Cidadão na Internet e Presidente da Comissão de Direito Digital da
OAB/SP Regional da Lapa www.youtube.com/josemilagre




Entrevista Jornal O GLOBO

https://oglobo.globo.com/economia/tecnologia/desafio-dos-10-anos-no-facebook-pode-trazer-riscos-sua-privacidade-23377262

Desafio dos 10 anos no Facebook pode trazer riscos a privavidade.




José Milagre em entrevista a Folha de São Paulo

https://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2018/07/comissao-da-camara-aprova-juizado-especial-para-crime-cibernetico.shtml

Comissão aprova Juizado Especial para Crime Cibernético.




Trajetória de 15 anos no Direito e Perícia Digital

Ao longo de quase 15 (quinze) anos dedicados ao Direito e Perícia Digital, relembramos algumas atuações em casos renomados e que ascenderam as discussões sobre crimes digitais no Brasil e importantes contribuições para o País na área:

Em 2009 uma invasão à Telefônica comprometia casos de clientes. José Milagre atuou no caso representando um dos indiciados: https://itmidia.com/advogado-de-vinicius-kmax-defende-que-telefonica-deveria-contrata-lo/

Em 2009, tem contribuições aceitas para o então ante-projeto de Lei do Marco Civil da internet (http://culturadigital.br/marcocivil/2010/06/02/contribuicao-da-legaltech/)

Em 2011 José Milagre participa do seminário segurança digital e cidadania na Câmara dos Deputados, no dia em que o MARCO CIVIL DA INTERNET ingressava na casa como Projeto de Lei 2793/2011.

Em 2012 é convidado pelo Deputado Estadual Paulo Pimenta para participar de audiência pública no Congresso Nacional sobre os riscos da nova política de privacidade do Google

https://www.camara.leg.br/internet/sitaqweb/TextoHTML.asp?etapa=2&nuSessao=009.2.54.O&nuQuarto=61&nuOrador=1&nuInsercao=0&dtHorarioQuarto=17:00&sgFaseSessao=GE%20%20%20%20%20%20%20%20&Data=13/02/2012&txApelido=PAULO%20PIMENTA&txEtapa=Sem%20supervis%C3%A3o

O discurso pode ser acessado em: https://www.camara.leg.br/internet/sitaqweb/TextoHTML.asp?etapa=2&nuSessao=009.2.54.O&nuQuarto=61&nuOrador=1&nuInsercao=0&dtHorarioQuarto=17:00&sgFaseSessao=GE%20%20%20%20%20%20%20%20&Data=13/02/2012&txApelido=PAULO%20PIMENTA&txEtapa=Sem%20supervis%C3%A3o

Em 2012 Carolina Dieckmann era vítima de um suposto crime digital. José Milagre atuou no caso: http://g1.globo.com/sp/bauru-marilia/noticia/2013/04/jovem-que-teria-chantageado-dieckmann-planeja-acao-contra-atriz.html

Em 2013 a Lei Carolina Dieckmann entrava em vigor. José Milagre foi ouvido em diversos veículos, como na Revista Veja:

Em 2015 José Milagre é convocado para participar da CPI DOS CRIMES CIBERNÉTICOS (CPiCIBER), tendo oferecido importantes contribuições para a temática desafios da apuração de autoria (https://www.camara.leg.br/proposicoesWeb/fichadetramitacao?idProposicao=1635761):

Relatório final foi apresentado em: https://www.camara.leg.br/proposicoesWeb/prop_mostrarintegra?codteor=1447125

Em 2018 a Câmara aprova o processamento dos crimes informáticos por meio do Juizado Especial. José Antonio Milagre, é ouvido como especialista pela Folha de São Paulo: https://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2018/07/comissao-da-camara-aprova-juizado-especial-para-crime-cibernetico.shtml

Essa são apenas algumas das participações ao longo de 10 anos de atuação focada no desenvolvimento e aprimoramento da segurança digital do Brasil.




José Milagre estreia coluna na Rádio Justiça do STF

O perito em crimes informáticos José Antonio Milagre estreia sua coluna na Rádio Justiça do Supremo Tribunal Federal. A coluna será todas as quartas-feiras às 10h da manhã.

O primeiro programa tratou sobre os riscos digitais envolvendo a tragédia de Brumadinho: http://stf.jus.br/portal/cms/verNoticiaDetalhe.asp?idConteudo=402543

Sintonize 104,7 em Brasília ou pela Internet: http://www.radiojustica.jus.br/radiojustica/exibirHome!init.action;jsessionid=1rwYqYfKnzxE4FZklMVqA4Jn




Seminário “A lei de crimes cibernéticos” na Câmara dos Deputados

Em 24/08/2011 estaremos na Comissão de Ciência e Tecnologia da Câmara dos Deputados, participando de seminário sobre a “lei sobre cibercrimes”. Nossa palestra estará no painel “formas de investigação”. Para maiores detalhes acesse:




Advogado José Milagre é entrevistado pela CBN, Globo e Domingo Espetacular para alertar a respeito do golpe da tragédia de Brumadinho

Nesta sexta-feira, 01 de Fevereiro fui entrevistado pela CBN, Globo e Domingo Espetacular para esclarecer dúvidas sobre como agir em casos de golpes e crimes cibernéticos como o que está sendo aplicado no caso da tragédia de Brumadinho.

Acompanhe as entrevistas que já foram ao ar nos links abaixo:

https://www.portalcbncampinas.com.br/2019/01/advogado-perito-em-crimes-ciberneticos-jose-antonio-milagre-alerta-sobre-possiveis-golpes-usando-o-nome-de-brumadinho/